Advogado protocola impeachment contra governador Pedro Taques

0
514
Governador Pedro Taques. Foto; Mayke Toscano/GCOM-MT

O advogado Edno Damasceno de Farias protocolou um pedido de impeachment do governador Pedro Taques  (PSDB), nesta sexta-feira (26/5) pela manhã, na Assembleia Legislativa de Mato Grosso (ALMT), devido ao escândalo da escuta ilegal (grampo) da Polícia Militar (PM) a autoridades.

O fundamento do pedido é a Lei Federal 9.296/96, que regula interceptações telefônicas, mediante somente a autorização da Justiça, para investigar organizações criminosas. Para ser levado adiante, o pedido precisa ser acatado pelo presidente da Assembleia, Eduardo Botelho (PSB).

O ato ilegal já causou a prisão do ex-comandante da PM, coronel Zaqueu Barbosa e do cabo Gerson Luiz Ferreira Corrêa Junior. O cabo Gerson Ferreira é apontado como um dos responsáveis por solicitar os grampos. Desde o início do caso, o governador diz desconhecer o assunto que atenta contra a liberdade de Imprensa e a democracia.

O grampo se caracterizou pela inclusão indevida no sistema de espionagem do telefone da deputada Janaina Riva (PMDB), jornalista José Marcondes Muvuca, médicos, engenheiros e desembargadores, entre outros.⁠⁠⁠⁠ A deputada, diante da prisão do ex-comandante, cobrou renúncia do governador e posicionamento da Assembleia.

O coronel da Polícia Militar, Zaqueu Barbosa, é ex-comandante da Polícia Militar. Cargo que ocupou no governo Pedro Taques. Foto: Divulgação.

O tema causou a queda do ex-secretário da Casa Civil, Paulo Taques, que voltou a ser advogado pessoal de Taques no processo que tramita na Procuradoria Geral da República.

Grampos

As interceptações clandestinas, conhecidas como “barriga de aluguel”, foram denunciadas ao governador pelo ex-secretário de Segurança do governo Pedro Taques (PSDB), promotor de Justiça Mauro Zaque e seu então adjunto, Fábio Galindo, em 2015.

Na ocasião, eles teriam exigido a demissão do coronel Zaqueu do posto de comandante da Polícia Militar do Estado. Mas, conforme Zaque, nenhuma providência foi tomada. Dessa forma, o promotor denunciou o caso em rede nacional no programa Fantástico, da Rede Globo.

O cabo Gerson Luiz, desde o dia 25 de janeiro deste ano, exercia a função de assessor técnico III na Casa Militar do Estado de Mato Grosso. As escutas ilegais teriam começado em 2014, quando o coronel Zaqueu era o comandante-geral da Polícia Militar.

Governo e Botelho

O secretário de Comunicação do Estado, Kleber Lima, afirmou que o governador não foi notificado do pedido  e nem “Tem conhecimento”. O presidente da Assembleia afirmou no começo da tarde no Palácio Paiaguás que vai analisar se “tem novidade” e vai decidir o que fazer com o pedido.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA