Alunos ocupam escola em MT

7
29500

Estudantes ocuparam no início da noite desse domingo (22) a Escola Estadual Elmaz Gattas Monteiro, localizada em Várzea Grande. A ocupação segue movimento nacional e é parte de uma campanha contra corrupção na Secretaria de Estado de Educação (Seduc) e o projeto de terceirização de serviços administrativos das escolas públicas.

A ocupação contou com cerca de 30 estudantes e foi aprovada de última hora durante manifesto chamado de “Ato Pela Educação de Mato Grosso”. O evento foi realizado no final da tarde desse domingo.

Após aprovarem a ocupação, os estudantes começaram a ganhar doações de colchões e alimentos através de mobilização pelas redes sociais. Oriundos de Cuiabá e Várzea Grande, os alunos prometem permanecer por tempo indeterminado na escola e admitem interesse em ampliar as ocupações.

A ocupação em Várzea Grande segue uma onda de manifestações similares em todo o país, o que vem gerando também fortes reações por parte dos governos estaduais e suas respectivas polícias. As primeiras ocorreram em São Paulo por conta de denúncias de desvios de recursos públicos que deveriam ser aplicados em merenda, além da redistribuição dos alunos na rede estadual sem consultar a comunidade.

Em Mato Grosso, essa é a primeira ocupação decorrente das denúncias de desvios na Seduc e projeto de terceirização de serviços administrativos das escolas. Ocorre depois de deflagrada a Operação Rêmora, que investiga desvios de recursos nas obras realizadas pela Seduc.

O presidente da Associação Mato-grossense dos Estudantes (AME), Juarez França, afirma que o movimento espera ganhar adesão de estudantes, professores, trabalhadores e comunidade da região da escola.

“Vamos ocupar e sair apenas quando a gente derrubar essa ideia de terceirização dos serviços administrativos das escolas”, afirma o líder estudantil.

AULA

Estudantes que ocupam a Escola planejam uma aula aberta para a comunidade e alunos a partir das 7h30 dessa segunda-feira (23). Querem debater a corrupção na Seduc e o MTpar. Professores já admitem apoio e podem suspender a aula no período matutino.

7 Comentários

  1. Apoiado. Sou pai e vejo esse governo como ditador e até o momento não fez nada por MT. Obras paradas uma incompetência total. Fora Taques.

    • Agildo você resumiu: “ditador”. é exatamente isso… Me lembra Demóstenes. Taques nunca me enganou.. sempre olhei para essa postura dele, conservadora, como uma máscara que ele carrega “pegada” a cara.

  2. Eu apoio totalmente! É absurdo este projeto de terceirização, pois, implicará em cobranças de mensalidades dos alunos, o que Seria caótico.

  3. Sou professor e apoio a ação dos alunos, na verdade essa politica do Taques é a mesma que é aplicada em São Paulo, de destruição da educação pública, em sintonia com a política do golpe do Temer. Temos dar todo apoio a estes jovens.

  4. Sou mãe de aluno e apoio essa decisao, alguém tem que parar esse ditador mentiroso, decisões não se toma sozinho, cadê a Democracia. A união dos cidadãos têm força para mudar essa situação pois os governantes não pode tomar decisão que venha prejudicar a classe trabalhadora. Sobraria dinheiro nos cofres públicos se não houvesse desvio de dinheiro e o salário desses políticos fossem menos.

  5. O meu respeito a esses jovens que não cruzam os braços perante as injustiças. Força! Ocupar e resistir!

DEIXE UMA RESPOSTA