Cai número de roubos e furtos em Cuiabá e Várzea Grande

0
147
Foto: Lenine Martins-Gcom MT.

As ações repressivas das forças de segurança do Estado resultaram em queda de 40% de roubos de veículos em Cuiabá e 36% em furtos. Os dados são do primeiro trimestre de 2017, em comparação com o ano anterior.

De janeiro a março de 2017 foram registrados 250 roubos de veículos em Cuiabá. Enquanto no mesmo período de 2016 o total foi de 418 roubos. Também em queda, em 2017 foram 227 furtos na capital. No mesmo período de 2016 foram 357 casos.

As reduções de roubos e furtos também foram verificadas em Várzea Grande. A queda nos três primeiros meses de 2017 em roubo foi de 49% em relação ao mesmo período de 2016. Ao todo, em 2017 foram registrados 191 roubos, enquanto em 2016 foram 374 casos.

Já em relação a furto, em Várzea Grande, a redução foi de 20% em 2017 com 105 registros deste tipo de crime. Em 2016 foram 132 casos.

Os dados são da Coordenadoria de Estatística e Análise Criminal (Ceac), da Secretaria de Estado de Segurança Pública (Sesp).

O titular da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores (Derrfva), Vitor Hugo Bruzulato Teixeira, disse que os resultados são reflexo das operações integradas das forças de segurança da Polícia Militar, Polícia Judiciária Civil, Grupo Especial de Fronteira (Gefron), Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer) e Polícia Rodoviária Federal.

“Tivemos resultados positivos devido ao aumento das operações desencadeadas com a integração das forças policiais. Nosso trabalho é contínuo buscando promover reduções em roubos e furtos”, destacou.

Ainda segundo o delegado, somente neste primeiro trimestre, 46 pessoas foram presas por envolvimento nos crimes de roubos e furtos de veículos no Estado. “As ações resultaram na desarticulação de quadrilhas que atuavam no Estado”, acrescentou.

Mais ações

De janeiro a março de 2017, o Grupo Especial de Segurança na Fronteira (Gefron) recuperou 68 veículos produtos de roubo ou furto na fronteira.

De acordo com o comandante do Gefron, tenente-coronel PM Jonildo Assis, muitos carros roubados em Cuiabá e Várzea Grande tentam passar pela fronteira rumo à Bolívia para servir como moeda para o tráfico de droga.

O comandante ainda acrescentou que os resultados já obtidos neste primeiro trimestre fazem parte de uma soma de investimento do governo do Estado no policiamento na fronteira.

“As reduções de roubo e furto de veículos têm a ver com o aumento de efetivo no Grupamento. Temos atuado constantemente na faixa de fronteira do Brasil com o Bolívia”, destacou.

Outra unidade especializada que contribui para as reduções de roubos e furtos de veículos é o Centro Integrado de Operações Aéreas (Ciopaer). De janeiro a março, os três aviões do Ciopaer deram apoio na recuperação de 22 veículos.

O comandante do Ciopaer, tenente-coronel PM Henrique da Silva Santos, destacou que o sobrevoo com a aeronave possibilita localizar veículos em regiões de difícil acesso, em mata e terrenos murados, locais que servem de esconderijos.

“Normalmente são espaços que as viaturas por terra não conseguem visualizar. É quando nós auxiliamos com apoio da aeronave”, explicou o coordenador do Ciopaer.

Especialização

O combate aos roubos e furtos de veículo exige capacitação dos profissionais. As quadrilhas são, em geral, altamente especializadas e utilizam várias estratégias para dificultar a abordagem.

“As quadrilhas adulteram os sinais identificadores, como placas, vidros e numeração do chassi. Então os policiais têm de estar capacitados para identificar estas fraudes. Há muitos casos de veículos clonados com as mesmas características de outro veículo”, falou o delegado.

Venda, troca por drogas e desmanches são algumas das frentes de atuação das quadrilhas. Caminhonetes, por exemplo, são geralmente encaminhadas à fronteira com a Bolívia para a troca por drogas.

“Há ainda quadrilhas que atuam no comércio interno e aquelas que buscam veículos mais antigos para desmanche e vendas das peças. Nosso trabalho é para coibir todos estes crimes”, pontuou Teixeira.

Outra prática comum, segundo o delegado, é clonar um veículo a partir dos dados de um modelo semelhante de outro estado. “Falsificam documentos e comercializam os veículos por um preço bem abaixo do mercado”, diz o titular da Derrfva.

Procedimentos

No momento em que o proprietário tem o veículo furtado ou roubado alguns procedimentos devem ser tomados de imediato para o êxito da localização.

De posse da numeração da placa do veículo, o proprietário deve ligar para os números de emergência 190 (Polícia Militar) ou 197 (Polícia Judiciária Civil). De imediato, os profissionais do Centro Integrado de Comando e Controle enviam uma equipe ao local e emitem alerta no sistema de videomonitoramento.

Além do disque-denúncia, a Polícia Civil conta com um canal exclusivo via WhatsApp para recebimento de informações referentes a roubos e furtos de veículos. Pelo telefone (65) 9999-00197 qualquer pessoa pode auxiliar as investigações da Derrfva. O sigilo é absoluto.

O delegado ressalta a importância do registro do Boletim de Ocorrência (BO) ser feito em uma unidade especializada. “Qualquer unidade de Polícia Civil pode registrar casos de roubo ou furto, mas é importante ir até a Delegacia Especializada porque a instituição faz o boletim no Detranet, que irá colocar a ocorrência em nível nacional”.

A sede da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Furtos de Veículos Automotores fica ao lado da sede central do Detran, no Centro Político e Administrativo.

 

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA