Coronel Taborelli tem prisão decretada pela Justiça

Deputado Taborelli/Foto: Caroline De Vita-Fato e Notícia.

Pery Taborelli da Silva Filho (PSC),ex-deputado estadual e coronel aposentado da Polícia Militar, teve mandado de prisão expedido pelo juiz Geraldo Fidélis, da Vara de Execuções Penais de Cuiabá.

A decisão ocorreu em virtude da ausência Taborelli em audiências na Justiça. Ainda não se sabe o teor do processo em que Taborelli se ausentou. Segundo dados do processo, Taborelli sequer foi encontrado para receber as intimações.

Taborelli foi condenado por abuso de autoridade e privação de liberdade contra um grupo de pessoas e adolescentes quando atuava em Rosário Oeste (133 km de Cuiabá) como chefe da PM.

Sua abordagem teria sido motivada por uma denúncia de que menores estavam consumindo bebida alcoólica. Taborelli chegou a questionar os organizadores da festa sobre a presença dos menores e desencadeou uma operação “Choque de Ordem”.

Ele mandou desligar o som e determinou que as pessoas fossem embora para casa. Contudo, três adolescentes foram colocados no camburão das viaturas, de forma truculenta.

Uma adolescente declarou à justiça que o coronel puxou sua calcinha a ponto de machucar sua virilha. Além dos adolescentes, outros adultos que estavam no local também foram detidos.

Diante do caso, o desembargador Gilberto Giraldelli, relator do processo, votou pela condenação do militar. A decisão foi acompanhada por unanimidade pelos demais pares da 3ª Câmara do Tribunal de Justiça de Mato Grosso.

Além da prisão em regime semi aberto, Taborelli foi condenado a suspensão dos direitos políticos por 3 anos, multa de 10 vezes o valor do salário recebido por ele na época e proibição de contratar com o Poder Público.

Ele deve ser apresentado a audiência de custódia no Fórum de Cuiabá. Este já é o 2º mandado expedido contra o militar.

Coronel reformado da Polícia Militar, ele assumiu uma cadeira na Assembleia Legislativa em 2015. Porém, passou a ser suplente quando o deputado estadual Valdir Barrando (PT) obteve o registro de sua candidatura junto ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Em 2016, disputou a prefeitura de Várzea Grande, mas foi derrotado por Lucimar Campos (DEM).

O Site Fato e Noticia tentou contato com o coronel, mas até a publicação desta reportagem não obteve resposta. (Rafael Medeiros Especial para Fato e Noticia)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA