Deputados estaduais de MT estão entre os mais caros do Brasil, salários ultrapassam R$160 Mil

Revista Exame aponta que deputados Estaduais de MT estão entre os 5º mais caro do Brasil

Os deputados estaduais brasileiros gastam demais, têm muitos funcionários e, em alguns casos, têm salário acima do permitido – tudo pago com o seu dinheiro. A conclusão é de um relatório da ONG Transparência Brasil divulgado esta semana.

Segundo o estudo, deputados de ao menos cinco estados ganham mais do que o teto permitido, que é de R$ 25.322. Para burlar esse limite, eles recebem gratificações quando presidem comissões na Casa ou quando fazem parte da mesa diretora.

A Transparência Brasil descobriu também que muitos deputados estaduais têm direito a verbas indenizatórias “astronômicas”. Esse dinheiro é usado para gastos como escritório, passagens aéreas e aluguel de veículos.

Na Câmara dos Deputados em Brasília, o teto da verba indenizatória varia entre R$ 30 mil e R$ 45 mil, dependendo do estado de origem do parlamentar. Nas Assembleias estaduais, porém, há limites de até R$ 65 mil, como é o caso do Mato Grosso. Detalhe: diferente dos federais, os deputados estaduais trabalham em seu próprio estado de origem e não têm a necessidade de viajar longas distâncias toda semana. Outro ponto de desperdício é a verba de gabinete – dinheiro destinado à contratação de assessores para o parlamentar. Os deputados federais em Brasília têm um teto de R$ 92 mil, para contratar 25 pessoas.

Pois nos estados há valores bem maiores. No Distrito Federal, por exemplo, a verba de gabinete é de impressionantes R$ 173,2 mil, quase o dobro da verba disponível para os deputados federais. Esse montante faz com que os deputados estaduais do Distrito Federal sejam os mais caros do país, de acordo com o levantamento.

Três estados não entraram no estudo, pois não disponibilizaram os dados necessários: Acre, Maranhão e Sergipe. Outros aparecem apenas com parte das informações, como o Amapá (que não mostra a verba de gabinete de seus deputados).

1 – Distrito Federal – R$ 223.787 por deputado

2 – Rio de Janeiro – R$ 200.003 por deputado

3 – São Paulo – R$ 184.822 por deputado

4 – Bahia – R$ 160.391 por deputado

5 – Mato Grosso – R$ 160.322 por deputado

O Mato Grosso tem a maior verba indenizatória do país, com R$ 65 mil por deputado, e é tratado no relatório como o caso “mais absurdo”. Isso porque os deputados mato-grossenses não precisam mais comprovar gastos para ter direito a essa verba. “Os R$ 65 mil são depositados automaticamente na conta do parlamentar, que não precisa apresentar comprovantes fiscais antes de receber o dinheiro”, diz o estudo.

UF Mato Grosso

Salário dos deputados R$ 25.322

Gratificações

Auxílio moradia

Verba indenizatória R$ 65.000

Outras verbas

Total para gasto pessoal R$ 90.322

Verba de gabinete (para contratação de assessores) R$ 70.000

TOTAL (pessoal + gabinete) R$ 160.322

6 – Roraima – R$ 155.580 por deputado

7 – Pará – R$ 141.232 por deputado

8 – Amazonas – R$ 140.922 por deputado

9 – Alagoas – R$ 140.645 por deputado

10 – Piauí – R$ 138.504 por deputado

11 – Pernambuco – R$ 137.972 por deputado

12 – Paraná – R$ 135.317 por deputado

13 – Rio Grande do Norte – R$ 131.658 por deputado

14 – Minas Gerais – R$ 127.359 por deputado

15 – Tocantins – R$ 123.226 por deputado

17 – Rondônia – R$ 122.254 por deputado

18 – Rio Grande do Sul – R$ 115.839 por deputado

19 – Goiás – R$ 110.183 por deputado

20 – Santa Catarina – R$ 107.700 por deputado

21 – Espírito Santo – R$ 89.323 por deputado

22 – Paraíba – R$ 67.878 por deputado

23 – Mato Grosso do Sul – R$ 59.565 por deputado

24 – Amapá – R$ 58.949 por deputado  (Inf. Exame)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA