Estrangeiros residentes no país poderão participar em eleições municipais

0
106
Plenário do Senado Federal. Foto: Jonas Pereira/Agência Senado

Os estrangeiros com residência permanente no Brasil poderão ter o direito de votar e ser votado nas eleições municipais, caso os senadores aprovem a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 25/2012, que altera dispositivo da Constituição Federal.

O direito previsto aos cidadãos brasileiros é hoje válido aos portugueses nas mesmas condições e seriam ampliado aos indivíduos das demais nações, com a condicionante de que a mudança eleitoral a estrangeiros depende de haver reciprocidade em favor de brasileiros nos respectivos países.

A PEC, que pode gerar polêmica entre eleitores brasileiros, teve seu andamento nesta quarta-feira (14/6), quando senadores membros da Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) aprovaram a proposta, de iniciativa do senador licenciado Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), ministro das Relações Exteriores do governo Michel Temer (PMDB-SP).

O projeto contou com parecer favorável, com emenda de redação, do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG). Depois de passar pela CCJ, a proposta segue para dois turnos de discussão e votação no Plenário do Senado.

A PEC 25/2012 modifica o artigo 12º da Constituição para estender aos estrangeiros com residência permanente no país direitos já garantidos aos cidadãos brasileiros.

“Aproveitamos para alterar esse dispositivo a fim de abrir espaço à diplomacia brasileira para negociar tratados, bilaterais ou multilaterais, que estendam a estrangeiros residentes — e não mais apenas aos portugueses — certos direitos inerentes a brasileiros”, observou Aloysio.

“Nesse caso, vislumbramos a possibilidade de, por exemplo, celebrarmos tratados com outros países lusófonos ou com nações inseridas em nosso contexto de integração regional, em especial no que se refere a votar e ser votado nas eleições municipais”, defende.

Essa intenção levou a PEC 25/2012 a também mudar o artigo 14, que hoje veda o alistamento eleitoral de estrangeiros, com a ressalva para os portugueses, estabelecendo a nacionalidade brasileira como condição de elegibilidade. Pelo texto da proposta, essa possibilidade fica aberta a todos os estrangeiros residentes no país, mas valendo apenas para eleições municipais e dentro do critério de reciprocidade.

Igualdade perante a lei

A proposta altera ainda o artigo 5º da Constituição, adotando a seguinte redação: “Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade…”

Como citou Aloysio na justificativa, hoje a Constituição já prevê a igualdade de todos perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo aos brasileiros e estrangeiros residentes a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, entre outros. O objetivo da PEC é retirar a condicionalidade de ser um residente para que um estrangeiro tenha direito a esses direitos.

Em seu parecer, Anastasia observou que a PEC 25/2012 está em sintonia com entendimento do Supremo Tribunal Federal sobre o tema. Para o STF, a interpretação do art. 5º “não deve ser literal” porque, de outra forma, os estrangeiros não-residentes estariam alijados da titularidade de todos os direitos fundamentais. (Com informações da Agência Senado)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA