Polo educacional, Sinop atrai população flutuante e aquece economia

Única cidade do estado com três universidades públicas e duas particulares, a Capital do Nortão se transforma em ponto de atração de estudantes

Natural de Nova Ubiratã (168 km de Sinop) buscando a segunda formação em nível superior, a  agora contadora, Tatiane Herrmann veio para a cidade exclusivamente para estudar. Ela conta que a primeira faculdade foi feita em Sorriso, indo para a cidade e voltando todos os dias de Vam.
“Mesmo assim as opções de curso não me agradaram muito, na época fiz a que mais me interessou, com o passar do tempo decidi tentar de novo, mas dessa vez, para não errar, busquei Sinop porque tinha mais opções”, explicou.
Essa é a realidade da maioria dos milhares de acadêmicos que iniciam uma nova graduação todos os anos. Somente a Faculdade de Sinop (Fasipe), que disponibiliza 20 cursos, possui mais de 5 mil alunos inscritos. Já a Universidade Federal de Mato Grosso (UFMT), campus Sinop, conta com 3.300 alunos na graduação e mais de 200 na pós-graduação, divididos em 11 áreas. A cidade ainda conta com a Universidade Estadual de Mato Grosso (UNEMAT), Instituto Federal de Mato Grosso  (IFMT) e Universidade de Cuiabá (UNIC).
Vindo de Barra do Garças, o estudante de medicina veterinária na UFMT,  Itallo Nogueira, de 21 anos, conta que mesmo tendo um campus na sua cidade ele optou por Sinop.
“Em Barra não temos a estrutura que temos aqui, meu plano é me formar e buscar uma oportunidade na região, só em último caso vou pensar em voltar para a minha cidade natal”, explica.
Também em busca de qualificação, Letycia Hass conta que na sua família são poucos que tiveram a oportunidade de fazer curso superior. Ela conta que escolheu a engenharia agrícola  por conta da demanda da região.
“Eu sempre quis fazer engenharia e quando pesquisei melhor sobre o curso optei por essa habilitação. Apesar de ter nascido em Sinop, quando me formar pretendo buscar oportunidade de trabalho em outra cidade da região, como Lucas do Rio Verde por exemplo, principalmente porque têm empresas de grande porte”. A universitária da Federal conta ainda que a maioria dos seus colegas são de fora da cidade. “O comum aqui, na verdade, é perguntar de que cidade você veio”, completou.
De acordo com o diretor presidente da Fasipe, Deivison Benedito, o cenário educacional de Sinop teve um grande salto nos últimos 15 anos. Ele atribui a vinda das universidades privadas para a cidade como um grande incentivo de melhoria das instituições públicas.
“Por ano chegamos a formar mais de 600 alunos, cerca de 20% destes alunos vêm de fora da cidade todos os dias para estudar e outros 30% se mudam para Sinop. Para viabilizar esta movimentação, temos parcerias com os municípios para garantir que estes estudantes tenham qualidade e economia com o transporte até a universidade”, explicou.
Para a escolha dos cursos, o diretor explica que a instituição investiu em pesquisa nas escolas públicas e privadas, levando em conta alunos entre a 7º serie ao 9º ano em um raio de 200 km e 30 municípios.
“Além da vocação da região também pensamos no que os estudantes estavam buscando. Acredito também que a posição geográfica e o número populacional fazem com que a cidade seja um polo natural. A educação se transformou no motor propulsor deste crescimento e hoje também somos polo em saúde, comércio e outros setores essenciais”, destacou.
De acordo com o pró-reitor da UFMT Sinop, Roberto Carlos Beber, os 11 cursos disponibilizados pela instituição levaram em consideração a força econômica do agronegócio da região. Já a implantação do curso de medicina também levou em consideração a necessidade da região.
“Atualmente o campus tem 3.300 alunos na graduação e 200 em pós-graduação. A faixa etária destes estudantes giram entorno dos 20 a 25 anos. A maioria vindo de outras cidades”, explicou.
Sobre a necessidade de expansão e mudanças nos cursos, o pró-reitor explicou que com a atual situação econômica do país os planos de diretrizes educacionais foram paralisados.
“Hoje estamos focados na manutenção dos cursos implantados e buscando manter a qualidade do que é oferecido, mas temos confiança de que em breve esse cenário deve mudar”,  revelou.
História da UFMT 
A primeira proposta de implantação de um campus da UFMT em Sinop aconteceu no ano de 1981, com a doação do terreno de 60 hectares, feita pelo Colonizador Ênio Pipino. No entanto, somente no ano de 1991, o Conselho Diretor da Universidade criou o núcleo Pedagógico Norte Mato-Grossense e, no ano de 1992, deu-se a instalação provisória da UFMT em Sinop. Nesse ano, em regime de turmas especiais, seis cursos foram oferecidos.
Em 2005, o campus foi oficialmente reconhecido como uma extensão da Universidade em Sinop. Hoje a instituição conta com 11 cursos – Agronomia, Enfermagem, Farmácia, Medicina, Medicina Veterinária, Zootecnia, Engenharia Florestal, Engenharia Agrícola e Ambiental, Licenciatura em Ciências Naturais e Matemáticas com habilitação em Química, Física e Matemática- em que, anualmente, oferecem mais de 500 novas vagas para o ensino público gratuito.
DCIM100MEDIA
DCIM100MEDIA

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA