Silval acertou propina de R$ 18 milhões e ex-secretário negociou com empresa do VLT

Assessoria/Arquivo Fato e Notícia

Por Site Revista RDM

O ex-governador Silval Barbosa (PMDB) e seu ex-secretário da Secretaria da Copa do Mundo (Secopa), Maurício Guimarães, decidiram e negociaram propina de R$ 18 milhões de uma das empresas do consórcio responsável pela obra do Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) em Cuiabá e Várzea Grande. A propina foi paga do valor antecipado de R$ 149,4 milhões do contrato e a compra de material rodante dos vagões do modal na região metropolitana de Cuiabá.

As informações constam no pedido da instituição que embasou a decisão do juiz Paulo Sodré para autorizar a Operação Descarrilho da Polícia Federal (PF) nesta quarta-feira (9) em Cuiabá e outros Estados. O acerto da corrupção foi confirmado a autoridades em depoimento de Nadaf nas investigações. Silval e Maurício respondem por corrupção passiva no processo.

“Maurício Guimarães, a pedido do declarante (Silval), no ano de 2012 procurou um dos diretores da CAF Brasil Indústria e Comércio S/A para tratar sobre os respectivos “retornos” seriam referentes aos veículos, trilhos e sistemas operacionais de execução; que o referido diretor procurou pelo declarante em seu gabinete e nessa reunião ficou definido que a CAF Brasil pagaria a título de propina o valor de R$ 18.000.000,00 (dezoito milhões de reais)”, informa teor da decisão do magistrado sobre depoimento de Silval.

O ex-secretário Maurício prestou depoimento durante toda manhã na seda da PF em Cuiabá, após ser conduzido coercitivamente. Ele foi quem autorizou o pagamento pelo contrato do consórcio, com aval de Silval.

“O pagamento de propina foi tratado posteriormente com o Presidente da CAF Brasil Renato de Souza Meirrelles e Agenor Marinho Contente Filho, Diretor Geral do Brasil CAF, sendo que ambos conversavam com o Declarante e MAURICIO sobre os valores devidos de retorno’; QUE foram realizadas várias reuniões com os representantes da CAF acima citados (as reuniões ocorreram em Cuiabá, em Brasília e em São Paulo), para tratar do pagamento dos retornos, cujo valor foi objeto de negociação, tendo ficado a cargo dos dois executivos arrumar um jeito de realizar os pagamentos”, complementa Silval em depoimento referente ao processo. Os diretores também foram alvos da PF na operação desta quarta-feira.

O VLT da região metropolitana de Cuiabá era para ficar pronto antes da Copa do Mundo de 2014 na Capital, mas a obra foi paralisada em dezembro daquele ano por determinação judicial. Recentemente, o governo Pedro Taques (PSDB) tentou retornar a obra, mas teve impedimento dos Ministérios Público Federal e Estadual, diante de comprovadas irregularidades nas licitações. Paralelamente, uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) sobre a Copa do Mundo, com foco no VLT, apontou superfaturamento nas obras e outras irregularidades.

O modal foi concebido para ter 22 Km entre Cuiabá e Várzea Grande. Apesar de ser investido R$ 1,066 bilhão não foi terminado e o estado atual das ruas e avenidas escavadas em na região metropolitana sempre comprova que houve algo de errado no planejamento, gestão e corrupção sistêmica na obra principal do VLT e outras complementares.

Leia abaixo as RESIDÊNCIAS de pessoas e empresas alvos da PF na Operação Descarrilho:

RESIDÊNCIAS DE PESSOAS e endereços comerciais alvos da Operação Descarrilho:

1 . CONSÓRCIO VLT CUIABÁ – VÁRZEA GRANDE (Cuiabá)

2 . COHABITA CONSTRUÇÕES LTDA (Cuiabá)

3 . MULTIMETAL ENGENHARIA DE ESTRUTURAS LTDA (Várzea Grande)

4 . CAF BRASIL INDÚSTRIA E COMÉRCIO (São Paulo)

5 . C R ALMEIDA S.A. — ENGENHARIA DE OBRAS (Curitiba)

6 . SANTA BÁRBARA CONSTRUÇÕES S/A (Belo Horizonte)

  1. BORBON FOMENTO MERCANTIL LTDA (Cuiabá)

8 . AVAL SECURITIZADORA DECRÉDITOS S.A.

9 . BRUNO SIMONI (Cuiabá)

10 . JOÃO CARLOS SIMONI (Cuiabá)

11 . ALTAIR BAGGIO (Cuiabá)

12 . GUILHERME LOMBA DE MELO ASSUMPÇÃO (Cuiabá)

13 . AGENOR MARINHO CONTENTE FILHO (Rio de Janeiro)

14 . RENATO DE SOUZA MEIRELLES NETO (São Paulo)

15 . ARNALDO MANUEL ANTUNES (Petrópolis-RJ)

16 .  MARCO ANTONIO CASSOU (Curitiba)

17 . MAURICIO SOUZA GUIMARAES (Cuiabá)

  1. RICARDO PADILLA DE BORBON NEVES (Cuiabá)

 

(Informação do Site da Revista RDM)

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA