mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticaA uma semana de eleições na França, pesquisas antecipam 35% dos votos...

    A uma semana de eleições na França, pesquisas antecipam 35% dos votos para a extrema-direita – Mundo – CartaCapital

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -

    A França entra na última semana da campanha-relâmpago para as eleições legislativas antecipadas, cujo primeiro turno acontece no próximo domingo 30. Duas novas pesquisas divulgadas neste fim de semana consolidam a liderança do partido de extrema-direita Reunião Nacional, com 35% e 36% das intenções de voto, contra 27 a 29,5% para a Nova Frente Popular, coligação da esquerda.

    Fortalecido, o RN se mobiliza para obter a maioria absoluta da Assembleia Nacional junto aos seus aliados de direita. O presidente do partido Os Republicanos, Eric Ciotti, criou um racha na legenda depois de anunciar uma aliança com a extrema-direita nesta votação – convocada pelo presidente francês, Emmanuel Macron, depois da derrota dos centristas nas eleições legislativas europeias.

    Conforme as pesquisas do instituto Elabe, encomendada pelo jornal La Tribune, e do instituto Ipsos para Le Parisien e Radio France, o partido de Macron, Renascimento, aparece bem atrás, em terceiro lugar, com 19,5% e 20%, respectivamente. Os aliados do presidente pedem uma “onda republicana contra os extremos”.

    Em uma entrevista para o Journal du Dimanche, o presidente do RN, Jordan Bardella, voltou a insistir na carta do apaziguamento do país. “Quero reconciliar os franceses e ser o primeiro-ministro de todos os franceses, sem qualquer distinção”, afirmou, reiterando que só aceitará o cargo de premiê se a sigla obtiver maioria absoluta dos assentos da Assembleia.

    Bardella, cujo partido fez história combatendo a imigração na França, comprometeu-se a ser o “primeiro-ministro de todos, incluindo daqueles que não votarem” nele. O líder prometeu “respeitar todos os franceses, sejam eles quem forem e de onde quer que venham”.

    Mélenchon acusa Macron de fazer campanha para a extrema-direita

    Na entrevista, o presidente do RN preferiu visar o líder da esquerda radical Jean-Luc Mélenchon, considerado o seu rival ao cargo de primeiro-ministro. Bardella alertou contra o “perigo da esquerda mais brutal e sectária”.

    Mélenchon, líder do partido França Insubmissa (LFI, na sigla em francês), recusou-se a “se retirar ou se impor” como primeiro-ministro se a esquerda vencer o segundo turno, em 7 de julho. “O senhor Bardella é Macron revestido de racismo”, atacou, alegando que o chefe de Estado “faz campanha para ter um primeiro-ministro do RN ao passar o tempo todo batendo” na esquerda.

    Nas sondagens, a popularidade de Emmanuel Macron continua em queda livre, ainda que não tenha atingido o seu ponto mais baixo, registrado durante a crise dos coletes amarelos, em 2018. O índice caiu 4 pontos, chegando a 28%, conforme o Ipsos, e 5 pontos (26%) segundo o Ifop.

    A tendência é semelhante para o atual primeiro-ministro, Gabriel Attal, que perdeu 4 pontos. Mesmo assim, Attal se mantém popular, com em torno de 40% de aprovação.

    Acuado entre o RN e a Nova Frente Popular, o governo apela a uma “onda republicana” contra os “extremos” no primeiro turno. “O nosso país precisa de uma terceira força, responsável e razoável, capaz de agir e acalmar”, disse o atual presidente da Assembleia Nacional, Yaël Braun-Pivet, no diário La Tribune.

    Possibilidade de renúncia

    A decisão surpreendente de Emanuel Macron de convocar eleições legislativas antecipadas após o seu fracasso nas eleições europeias de 9 de junho contra o RN – que obteve nestas eleições o dobro dos votos que o seu partido – constitui o maior risco político assumido pelo presidente de centro-direita desde que chegou ao poder, em 2017.

    Macron, que tem apresentado dificuldade de implementar sua agenda desde que perdeu a maioria na Assembleia Nacional, nas eleições legislativas de junho de 2022, defendeu a sua decisão como uma escolha necessária para “esclarecer” o panorama político na França. O chefe de Estado, cujo mandato termina em 2027, descartou a demissão, “qualquer que seja o resultado” da votação.

    Mas se o RN emergir como um vencedor claro, a sua “falha moral seria absolutamente imensa”, avalia Vincent Martigny, professor de ciência política na Universidade de Nice. “Podemos imaginar que a única solução honrosa seria a renúncia”, analisa o cientista político.



    Informações são do site Carta Capital, Clique aqui

    MAIS RECENTES

    Greve do INSS continua após reunião frustrada entre servidores e governo

    O sindicato que representa os servidores do INSS afirmou que a greve que...

    Naufrágio na Mauritânia deixa 165 migrantes desaparecidos – Mundo – CartaCapital

    Pelo menos 165 migrantes ainda estavam desaparecidos nesta quarta-feira 24 após o naufrágio...

    Meta exclui 63 mil contas do Instagram na Nigéria por extorsão sexual – Tecnologia – CartaCapital

    A Meta anunciou na quarta-feira a eliminação de 63.000 contas do Instagram na...

    Mais Notícias

    Greve do INSS continua após reunião frustrada entre servidores e governo

    O sindicato que representa os servidores do INSS afirmou que a greve que...

    Naufrágio na Mauritânia deixa 165 migrantes desaparecidos – Mundo – CartaCapital

    Pelo menos 165 migrantes ainda estavam desaparecidos nesta quarta-feira 24 após o naufrágio...