mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomeEsportesJUBs promovem maior participação feminina no futebol universitário

    JUBs promovem maior participação feminina no futebol universitário

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -


    A primeira edição dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) de 2024 trouxe na bagagem para Recife a meta de incentivar a maior participação de mulheres no futebol. Ao todo, 353 atletas participam do evento que está sendo realizado na capital pernambucana até este sábado (6).

    As estudantes da Uninassau de Pernambuco Maria Alice e Vitória Janielly, mais conhecida como pãozinho, jogam futebol desde a infância e uniram a paixão aos estudos quando começaram a participar dos times de futebol da universidade. Times no plural porque elas treinam com as equipes de futebol de campo, fut7, beach soccer, entre outras variações da modalidade. Para dar conta de tudo isso e da carreira acadêmica, elas se desdobram.

    “Correria né, pois temos que conciliar as aulas, o trabalho, os treinos. E fazemos o que podemos, pois a faculdade também faz o que pode e até o que não pode para nós e tentamos sempre entregar o melhor resultado possível”, afirma Maria Alice.

    Seja pela agenda apertada, pelo preconceito que persiste em existir com as mulheres no futebol, a participação feminina ainda é menor que a masculina nos jogos universitários brasileiros de futebol, fut7, rugby de 7 e x2 (nova modalidade que reúne apenas dois jogadores de linha e um goleiro). Porém, isso pode estar começando a mudar.

    Desde 2023 a Confederação Brasileira de Desporto Universitário (CBDU) coloca em prática ações para aumentar a participação das mulheres nos JUBs de futebol, fut 7, rugby de 7 e x2. Na edição atual foram 353 atletas representando 16 estados.

    “Criamos esta política de estimular, apoiando, dando subsídios para as faculdades que tragam, além da equipe masculina, a equipe feminina. Com isso temos o objetivo de igualar o número de participantes homens e mulheres. E vai muito além disso. Fazendo com que as meninas joguem aqui, acabamos ofertando bolsas de estudos para elas. Então não apenas abrimos as portas para que elas possam jogar futebol, mas para que também possam estudar e jogar futebol em suas universidades”, declarou o presidente da CBDU, Luciano Cabral.

    Uma jogada que pode dar muito certo. Um toque de letra para unir esporte e educação. “O esporte tem essa característica. Ele ajuda as pessoas a se desenvolverem, a enfrentarem dificuldades, superar obstáculos, olhar de frente os desafios, buscar soluções. Então quando pensamos que são estudantes de nível superior que são forjados com esses valores, participam desse processo na sua formação, temos certeza de que estamos formando profissionais de mais valor”, diz o dirigente.

    E a torcida é para que cada vez mais mulheres tenham a oportunidade de jogar e estudar seguindo os passos de Maria Alice e Vitória Janielly.





    Agência Brasil

    MAIS RECENTES

    Desenrola Brasil tem prazo de adesão prorrogado por mais 60 dias – CartaCapital

    As pessoas com renda de até dois salários mínimos ou inscritas no Cadastro...

    Após ser cassado, Deltan volta à Câmara para participar de debate sobre a Lava Jato – CartaExpressa – CartaCapital

    O ex-procurador e ex-deputado federal Deltan Dallagnol (Novo) retornará à Câmara, nesta terça-feira...

    Mais Notícias