mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticaNunes Marques vota contra “Poder moderador” das Forças Armadas; placar é de...

    Nunes Marques vota contra “Poder moderador” das Forças Armadas; placar é de 10 a 0

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    O ministro Kassio Nunes Marques, indicado ao Supremo Tribunal Federal (STF) pelo ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), votou neste sábado (6) contra a possibilidade do artigo 142 da Constituição permitir que as Forças Armadas atuem como um “Poder moderador” sobre os outros Poderes da República. Ele seguiu o entendimento de outros ministros, incluindo Luiz Fux (relator da ação na Corte), Edson Fachin, André Mendonça, Carmén Lúcia e Luís Roberto Barroso.

    Com isso, o placar contra a tese já soma 10 a 0
    e apenas o ministro Dias Toffoli ainda não votou. O julgamento em plenário
    virtual está no ar desde o dia 29 de março e termina nesta segunda (8).

    A Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) foi
    proposta pelo PDT em 2020 questionou interpretações do artigo 142 da
    Constituição Federal de que haveria a possibilidade de uma intervenção militar “dentro
    da legalidade”. O relator da ação, ministro Luiz Fux, enfatizou a importância
    de rejeitar interpretações que ameacem o Estado Democrático de Direito.

    Segundo Fux, “qualquer instituição que pretenda tomar o poder, seja qual for a intenção declarada, fora da democracia representativa ou mediante seu gradual desfazimento interno, age contra o texto e o espírito da Constituição”. O ministro destacou a urgência em coibir interpretações que possam deturpar o texto constitucional e seus pilares fundamentais.

    Outros ministros, como Alexandre de Moraes,
    Gilmar Mendes, Cristiano Zanin e Flávio Dino, também votaram contra a
    interpretação de um “Poder moderador” das Forças Armadas. Moraes classificou
    essa interpretação como “pífia, absurda e antidemocrática interpretação
    golpista”, destacando que o presidente que convocar as Forças Armadas para
    intervir nos outros Poderes estará cometendo crime de responsabilidade.

    Dino ressaltou que não existe um “poder militar”
    no regime constitucional brasileiro, enfatizando que o poder é civil e composto
    pelos três ramos: Legislativo, Executivo e Judiciário. Gilmar Mendes relacionou
    a reivindicação de protagonismo político dos militares com os ataques aos Três
    Poderes, argumentando que a interpretação de um “poder moderador” ganhou força
    após a eleição de Bolsonaro em 2018.

    Cristiano Zanin classificou como “totalmente descabida” a interpretação de que as Forças Armadas podem intervir como um “Poder moderador” durante crises institucionais, enquanto Cármen Lúcia destacou que esse Poder não está previsto na Constituição e qualquer interpretação nesse sentido é um “delírio antijurídico ou desvario antidemocrático”.



    Source link

    MAIS RECENTES

    O que está em jogo em uma eventual filiação de Tarcísio ao PL

    A possível ida do governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos),...

    Por falta de câmera corporal em policial, STJ absolve acusado em São Paulo – Justiça – CartaCapital

    A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça declarou a nulidade das provas...

    Haddad defende distribuição de riqueza para combater mudanças climáticas

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu nesta quinta-feira (23) a distribuição de riquezas...

    Mais Notícias

    O que está em jogo em uma eventual filiação de Tarcísio ao PL

    A possível ida do governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos),...

    Por falta de câmera corporal em policial, STJ absolve acusado em São Paulo – Justiça – CartaCapital

    A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça declarou a nulidade das provas...