mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticao tempo se esgota para definir uma meta fiscal factível para 2025...

    o tempo se esgota para definir uma meta fiscal factível para 2025 – Economia – CartaCapital

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    O governo Lula (PT) precisa correr para definir uma meta fiscal “factível” para 2025, disse nesta segunda-feira 8 o ministro da Fazenda, Fernando Haddad (PT). Em 15 de abril, a equipe econômica terá de enviar o Projeto da Lei de Diretrizes Orçamentárias com a meta de resultado primário para o ano que vem.

    “Estamos esgotando o tempo para fazer as contas necessárias para fixar uma meta factível à luz do que aconteceu de um ano para cá”, disse o ministro, ao retornar de uma reunião no Palácio do Planalto. “Vamos nos lembrar de que essa meta foi anunciada em março do ano passado, quando foi apresentado o marco fiscal.”

    Para 2025, o novo arcabouço fiscal prevê uma meta de superávit primário de 0,5% do Produto Interno Bruto, com margem de tolerância de 0,25 ponto percentual para mais ou para menos. O governo, no entanto, terá dificuldades de arrecadação no ano que vem, com o fim de receitas extraordinárias que entram no caixa de 2024, como a regularização de fundos exclusivos e de offshores.

    Além da diminuição de receitas extraordinárias, o governo enfrenta desafios no Congresso, que deseja manter a desoneração da folha de pagamento para 17 setores da economia, a redução da contribuição à Previdência Social por pequenas prefeituras e a ajuda a empresas do setor de eventos.

    “De lá [março do ano passao] para cá, aconteceu muita coisa boa, mas tivemos alguns percalços que terão de ser considerados. E nós temos ainda alguma insegurança em relação ao resultado final das negociações deste semestre em relação a temas importantes”, acrescentou Haddad.

    O ministro não adiantou se o governo pretende reduzir a meta fiscal de 2025 para um superávit de até 0,25% do PIB, com margem de tolerância de 0,25 ponto percentual. Haddad disse apenas que o principal objetivo da equipe econômica é manter a sustentabilidade das contas públicas, com uma trajetória sustentável.

    “De que adianta você ter um resultado primário positivo por um ano e ele ser insustentável? Nós estamos procurando fazer uma coisa pensando em sustentabilidade das contas.”

    (Com informações da Agência Brasil)



    Informações Carta Capital

    MAIS RECENTES

    Silveira nega intervenção na Vale, mas diz que na Petrobras é diferente: “é participação”

    O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou que o governo não...

    Militares apostaram no caos que daria o poder de intervir, diz Gilmar a jornal alemão – CartaExpressa – CartaCapital

    O ministro Gilmar Mendes, decano do Supremo Tribunal Federal, afirmou que a militarização...

    Líderes do Senado jogam desfecho sobre desoneração de municípios para junho

    Os líderes do Senado definiram nesta quinta-feira (23), em reunião com o presidente...

    Mais Notícias

    Silveira nega intervenção na Vale, mas diz que na Petrobras é diferente: “é participação”

    O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou que o governo não...

    Militares apostaram no caos que daria o poder de intervir, diz Gilmar a jornal alemão – CartaExpressa – CartaCapital

    O ministro Gilmar Mendes, decano do Supremo Tribunal Federal, afirmou que a militarização...