mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticaX no Brasil quer eximir-se de ordens do STF e age com...

    X no Brasil quer eximir-se de ordens do STF e age com cinismo

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    O ministro Alexandre de Moraes, do Supremo Tribunal Federal
    (STF), rejeitou um pedido apresentado pela X Brasil Internet Ltda., filial da
    rede social X no país, para que ordens judiciais que interfiram na operação da
    plataforma fossem endereçadas à X Corp, sede da companhia nos Estados Unidos. O
    pedido foi apresentado no âmbito da investigação aberta pelo ministro para
    investigar o empresário Elon Musk, dono da rede social.

    Segundo a filial, suas atividades se limitariam à “comercialização,
    monetização e promoção da rede de informação Twitter, além da veiculação de
    materiais de publicidade na internet e de outros serviços e negócios relacionados”,
    mas não à “gestão, a operacionalização e a administração da rede social”. Em
    relação às ordens judiciais, afirmou que apenas “coopera com as operadoras
    internacionais da rede social X” – existe outra sede na Irlanda – e que não
    teria responsabilidade sobre as atitudes delas em relação às determinações da
    Justiça.

    Em resposta, Moraes citou documentos apresentados pelos
    próprios advogados da filial brasileira, como o estatuto social e o quadro societário.
    Afirmou que a filial “envolve-se tanto na atividade de exposição e divulgação
    da rede social – o que inevitavelmente inclui as mensagens que são objeto do
    presente Inquérito –, bem como no retorno financeiro que ela proporciona” – uma
    referência a postagens investigadas no inquérito que, segundo o ministro,
    representariam “ataques” às instituições, especialmente o STF e seus ministros.

    “Não obstante esta crucial atuação, a X BRASIL pretende eximir-se da responsabilidade pelo cumprimento das ordens expedidas pela mais alta Corte de Justiça do Brasil, ao singelo argumento de que o poder de decisão pertence às corporações internacionais que criaram a rede social. A alegação, em primeiro lugar, revela certo cinismo, já que, conforme consta no Contrato Social a que já se fez referência, uma das chamadas operadoras internacionais do X nada mais é do que a principal sócia da empresa brasileira, detendo a absoluta maioria do capital social”, escreveu o minstro na decisão.

    Ele reproduziu dados das empresas do grupo nos EUA e na
    Irlanda, ambas apontando o executivo brasileiro Diego de Lima Gualda como seu
    representante no Brasil. Acrescentou depois que “consequências de eventual
    obstrução da Justiça, ou de desobediência à ordem judicial, serão suportadas
    pelos administradores da referida sociedade empresária” – os dois crimes foram
    imputados a Elon Musk pelo ministro depois que ele anunciou que iria mandar reativar
    perfis de usuários bloqueados no Brasil por ordem de Moraes.

    Moraes disse ainda que o pedido da X Brasil “beira a
    litigância de má-fé”, uma vez que a subsidiária há anos recebe decisões judiciais
    no Brasil e enviou representantes para participar de reuniões no STF e no TSE.

    Desde o fim de semana, o X entrou em choque com Moraes por
    meio de postagens de Elon Musk acusando o ministro de agir como “ditador” e praticar
    censura de forma ilegal e inconstitucional. Por iniciativa própria, Moraes
    abriu inquérito contra o empresário e mandou a Polícia Federal investigá-lo. O
    próprio ministro vai supervisionar a investigação como relator no STF.



    Source link

    MAIS RECENTES

    O que está em jogo em uma eventual filiação de Tarcísio ao PL

    A possível ida do governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos),...

    Por falta de câmera corporal em policial, STJ absolve acusado em São Paulo – Justiça – CartaCapital

    A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça declarou a nulidade das provas...

    Haddad defende distribuição de riqueza para combater mudanças climáticas

    O ministro da Fazenda, Fernando Haddad, defendeu nesta quinta-feira (23) a distribuição de riquezas...

    Mais Notícias

    O que está em jogo em uma eventual filiação de Tarcísio ao PL

    A possível ida do governador de São Paulo, Tarcísio Gomes de Freitas (Republicanos),...

    Por falta de câmera corporal em policial, STJ absolve acusado em São Paulo – Justiça – CartaCapital

    A 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça declarou a nulidade das provas...