mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticaSob gestão Ramagem, Abin gastou R$ 6 milhões em operação ilegal no...

    Sob gestão Ramagem, Abin gastou R$ 6 milhões em operação ilegal no Rio, diz site – CartaExpressa – CartaCapital

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    A Polícia Federal (PF) apurou que uma operação de inteligência ilegal foi realizada em comunidades do Rio de Janeiro em 2021 ao custo de, pelo menos, 6 milhões de reais. O caso tem relação o suposto uso irregular da estrutura da Agência Brasileira de Inteligência (Abin) durante o governo do ex-presidente Jair Bolsonaro (PL), conhecido como ‘Abin paralela’.

    Segundo informações reveladas nesta quarta-feira 10 pelo site Poder360, a operação no Rio teve um custo estimado de 6 milhões de reais. Do total, 1,5 milhão teria sido gasto com informantes.

    No centro das investigações, está o deputado federal Alexandre Ramagem (PL-RJ), que chefiava a Abin no governo passado. Ele nega, até o momento, que tenha chefiado um esquema de espionagem ilegal.

    De acordo com a publicação, a ação de inteligência paralela no Rio foi executada por agentes da PF próximos a Ramagem. A matéria também aponta que dois funcionários são investigados no caso específico: Victor Carneiro, ex-capitão do Exército e substituto temporário de Ramagen na Abin, e Felipe Arlotta, agente da PF.

    Durante a investigação, a PF teria encontrado documentos sobre a operação no Rio na casa de Ramagem. Apesar dos arquivos não terem a identificação da Abin, o modelo encontrado é parecido com os produzidos pela agência. O título do arquivo é “Plano de Operações 06/2021”. No curso das investigações sobre a ‘Abin paralela’, a PF já encontrou outros documentos da agência de inteligência na casa de Ramagem.

    Agora, a PF deverá investigar se existe relação entre as operações em comunidades do Rio e a eleição do próprio Ramagem como deputado no estado, nas eleições de 2022. 

    Os agentes procuram saber se houve necessidade da ação específica, uma vez que, a princípio, ela seria distinta daquelas que normalmente são realizadas pela agência.

    Os envolvidos no caso ainda não se pronunciaram sobre as denúncias reveladas.



    Informações Carta Capital

    MAIS RECENTES

    Desenrola Brasil tem prazo de adesão prorrogado por mais 60 dias – CartaCapital

    As pessoas com renda de até dois salários mínimos ou inscritas no Cadastro...

    Após ser cassado, Deltan volta à Câmara para participar de debate sobre a Lava Jato – CartaExpressa – CartaCapital

    O ex-procurador e ex-deputado federal Deltan Dallagnol (Novo) retornará à Câmara, nesta terça-feira...

    Mais Notícias