mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticaSTF forma maioria para ampliar regra do foro privilegiado

    STF forma maioria para ampliar regra do foro privilegiado

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    Nesta sexta-feira (12), com voto do presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), ministro Luís Roberto Barroso, a Corte formou maioria para ampliar a regra para a prerrogativa de foro, também chamado de foro privilegiado.

    O magistrado seguiu o relator do caso, ministro Gilmar Mendes, que fixou a tese de que o processo de um réu com foro privilegiado deverá ser mantido no STF mesmo após renúncia, não reeleição ou cassação do mandato.

    Segundo o relator, o investigado deve perder o foro apenas se os crimes foram cometidos antes de assumir o cargo ou não possuírem relação com o exercício da função. O resultado do julgamento vai atingir deputados federais e senadores que respondem a processos no STF.

    O ministro Barroso concordou com o argumento de que o envio do caso a outra instância quando o mandato se encerra produz prejuízos.

    “Esse ‘sobe-e-desce’ processual produzia evidente prejuízo para o encerramento das investigações, afetando a eficácia e a credibilidade do sistema penal. Alimentava, ademais, a tentação permanente de manipulação da jurisdição pelos réus”, disse Barroso em um trecho do seu voto.

    O julgamento foi retomado nesta sexta-feira depois de passar um tempo suspenso por conta de um pedido de vista feito por Barroso. O ministro liberou a ação para julgamento no início deste mês.

    Após o voto de Barroso, o julgamento voltou a ser suspenso por um pedido de vista feito pelo ministro André Mendonça.

    O caso que está sendo analisado e que permitiu a retomada das discussões sobre o foro é referente ao pedido de habeas corpus do senador Zequinha Marinho (PL-PA), investigado por prática de “rachadinha” em 2013, quando era deputado federal.

    A defesa do parlamentar alega que a Justiça do Distrito Federal é incompetente para julgá-lo e que o processo deve tramitar no Supremo, porque desde a denúncia ele exerce cargos com prerrogativa de foro.

    Gilmar Mendes decidiu apresentar uma nova tese sobre o foro privilegiado, tendo em vista que a última foi definida pelo STF em maio de 2018. Na época, os ministros defenderam que deputados e senadores só deveriam responder a processos criminais na Corte se os fatos imputados tivessem ocorrido durante o mandato e tivessem relação com o exercício do cargo.

    Além de Gilmar e Barroso, também votaram pela ampliação da regra, os ministros Dias Toffoli, Flávio Dino, Cristiano Zanin e Alexandre de Moraes.



    Source link

    MAIS RECENTES

    Tarcísio defende no STF lei que cria indenização a procuradores por ‘excesso de serviço’ – Política – CartaCapital

    O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), defendeu em manifestação ao...

    MDB se tornou principal adversário de Lula mesmo tendo ministérios, diz ministro

    O ministro Márcio França, do Empreendedorismo, afirma que o MDB é atualmente o...

    Mais Notícias

    Tarcísio defende no STF lei que cria indenização a procuradores por ‘excesso de serviço’ – Política – CartaCapital

    O governador de São Paulo, Tarcísio de Freitas (Republicanos), defendeu em manifestação ao...

    MDB se tornou principal adversário de Lula mesmo tendo ministérios, diz ministro

    O ministro Márcio França, do Empreendedorismo, afirma que o MDB é atualmente o...