mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticaClasse C vai crescer menos neste governo Lula do que nos anteriores,...

    Classe C vai crescer menos neste governo Lula do que nos anteriores, diz pesquisa

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    Uma pesquisa publicada neste final de semana aponta que, nos próximos anos, o Brasil não verá um fenômeno semelhante à expansão da classe média testemunhada nos dois primeiros mandatos do presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), quando houve um avanço da classe D/E para a C.

    Dessa vez, quem sairá na frente serão os estratos mais altos da sociedade, especialmente a classe A, de acordo com uma projeção da Tendências Consultoria divulgada pela Folha de São Paulo. Isso se deve a uma conjuntura econômica marcada por altas taxas de juros, baixo dinamismo econômico e limitações no orçamento público para políticas de redistribuição de renda.

    Segundo a consultoria, a classe A experimentará
    o maior aumento na massa de renda real, com um crescimento médio de 3,9% ao ano
    no período de 2024 a 2028 – um movimento que já se fez sentir em 2023. Por
    outro lado, a classe D/E, composta pelos estratos mais baixos da população,
    terá um crescimento consideravelmente mais modesto, de apenas 1,5% ao ano, em
    média.

    Entre elas, diz a Tendências, a classe C – grande beneficiada nos governos Lula 1 e 2 – terá um avanço de 2,5%, enquanto que a classe B progredirá 3,5%.

    Embora a classe A seja relativamente pequena em
    termos de quantidade de domicílios, representando apenas 4% do total, ela detém
    uma fatia significativa da renda nacional, cerca de 37,2%. Por outro lado, a
    classe D/E, que representa quase metade das famílias brasileiras, recebe apenas
    22,1% da renda total.

    A massa de renda engloba diversos componentes,
    como rendimentos do trabalho, transferências de programas sociais como o Bolsa
    Família, benefícios previdenciários, além de outras fontes como juros e
    dividendos. O diferencial será justamente os ganhos de capital dos mais ricos,
    como empresários ou indivíduos com investimentos.

    Embora haja expectativas de uma redução na taxa básica de juros, a Selic, atualmente em 10,75% ao ano, espera-se que ela permaneça em níveis relativamente elevados. O último Relatório Focus do Banco Central, divulgado na semana passada, aponta uma previsão de 9% para o final deste ano.

    Esta perspectiva se agravou recentemente com a
    possibilidade de os Estados Unidos, devido à alta inflação, manterem suas taxas
    de juros altas por mais tempo, o que poderia pressionar países emergentes como
    o Brasil a manterem suas próprias taxas elevadas para atrair investidores.

    Atualmente, é possível obter um retorno de 6% ao
    ano acima da inflação com investimentos financeiros conservadores no Brasil. Em
    contraste, em 2023, os gastos com juros da dívida pública brasileira
    totalizaram R$ 718,3 bilhões, enquanto o Bolsa Família destinou apenas R$ 170
    bilhões a 21,1 milhões de lares.

    No que diz respeito à classe D/E, a consultoria Tendências não espera correções significativas nos próximos anos nos programas sociais como o Bolsa Família ou no salário mínimo, dada a limitação fiscal que o governo Lula 3 enfrenta.

    Essa realidade marca uma inversão do que foi observado entre 2003 e 2010, quando o Brasil se beneficiou de reformas estruturais no governo de Fernando Henrique Cardoso (PSDB), um período de forte crescimento global e um “boom” nos preços das commodities exportadas pelo país.



    Source link

    MAIS RECENTES

    Pimenta diz que extrema-direita se aproveita da tragédia e nega “politização”

    O ministro Paulo Pimenta, da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio...

    São Paulo perde Rafael por até nove jogos após convocação, e Jandrei deve ganhar espaço

    O São Paulo terá um desfalque de peso a partir do início de...

    Mais Notícias

    Pimenta diz que extrema-direita se aproveita da tragédia e nega “politização”

    O ministro Paulo Pimenta, da Secretaria Extraordinária de Apoio à Reconstrução do Rio...

    São Paulo perde Rafael por até nove jogos após convocação, e Jandrei deve ganhar espaço

    O São Paulo terá um desfalque de peso a partir do início de...