mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolíticaDesde 2015, prefeitura de SP fez repasses bilionários para empresas investigadas por...

    Desde 2015, prefeitura de SP fez repasses bilionários para empresas investigadas por elo com PCC – Política – CartaCapital

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    Por conta da operação realizada na semana passada que investiga a relação entre empresas de ônibus de São Paulo e o Primeiro Comando da Capital (PCC), investigadores ligados ao caso passaram a apurar o histórico de repasses da prefeitura da capital paulista às empresas.

    Dados do Ministério Público (MP) de São Paulo revelados pelo programa Fantástico, da TV Globo, deste domingo mostram verbas públicas bilionárias circulando nas empresas investigadas desde, pelo menos, 2015. Até aqui, os repasses revelados davam conta de um montante de 800 milhões.

    Segundo mostrou o programa, o montante, se somado desde o início do contrato, é significativamente maior. A Transwolff, principal investigada no caso, já recebeu, por exemplo, mais de 5 bilhões de reais da prefeitura de SP, sob as suas diferentes gestões, desde 2015. 

    Já a Upbus, outro alvo da ação do MP, passou a ter contrato com a cidade em 2018. Até o ano passado, a empresa já recebeu pelo menos 391 milhões dos cofres públicos.

    No mesmo sentido, agentes responsáveis pelo caso também começaram a desvendar os detalhes das relações financeiras entre os grupos empresariais e a organização criminosa.

    De acordo com o MP, o PCC teria injetado 54 milhões de reais na Transwolff, uma das empresas de ônibus, em 2015. O dinheiro do crime vem sendo lavado pela companhia desde então.

    Em 2015, vale frisar, a transferência de recursos já teria indicado a prática de lavagem de dinheiro.

    De acordo com a emissora, o crime organizado teria, naquele momento, sido essencial para o fechamento com o contrato com a prefeitura. Partiu do PCC os 21 milhões de reais injetados na empresa para que ela pudesse chegar ao patamar exigido no edital para fazer parte de uma licitação. 

    Sobre essa hipótese, esclarece o Ministério Público, a transferência de recursos traria dois benefícios: ao mesmo tempo que era uma forma de lavar dinheiro ilícito, fortalecia a empresa na qualificação para processos licitatórios.

    Até o momento, seis pessoas suspeitas foram presas. Os principais diretores das empresas foram afastados, e as companhias estão sob intervenção estatal da SPTrans.



    Informações Carta Capital

    MAIS RECENTES

    São Paulo perde Rafael por até nove jogos após convocação, e Jandrei deve ganhar espaço

    O São Paulo terá um desfalque de peso a partir do início de...

    Jorge Seif pede licença médica por 15 dias do Senado

    O senador Jorge Seif (PL-SC) pediu licença médica por 15 dias do Senado...

    Mais Notícias