mais
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    HomePolítica"Temos que celebrar grandes mobilizações", diz ministro sobre invasões do MST

    “Temos que celebrar grandes mobilizações”, diz ministro sobre invasões do MST

    PUBLICAÇÃO

    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    spot_imgspot_img
    - Publicidade -



    O ministro do Desenvolvimento Agrário, Paulo Teixeira, comentou nesta segunda-feira (15) sobre as invasões realizadas pelo Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST). Teixeira destacou que o Brasil vive um momento de “grandes mobilizações”. Mais cedo, o ministro participou ao lado do presidente Lula (PT) do lançamento do programa “Terra da Gente”, voltado para a reforma agrária.

    Questionado se o lançamento da iniciativa seria uma forma de atender a demanda do MST e conter invasões de terras, Teixeira destacou que o governo busca alternativas para assentar famílias. Até o momento, já foram realizadas 24 invasões em 11 estados durante a Jornada Nacional de Lutas, que começou nesta segunda e que vai até sexta (19), como parte do Abril Vermelho.

    “Nós temos que celebrar esse momento em que temos no Brasil grandes mobilizações e entregar esse processo todo. Esse processo é para mostrar para a sociedade brasileira que queremos oferecer alternativas para assentar famílias, para produzir alimentos de qualidade, para promover o sucesso das famílias. Não existe forma melhor de incluir do que pela via econômica e é isso que estamos fazendo”, disse o ministro.

    “O mês de abril coincide com dois aspectos, o primeiro é o término do trabalho e sua revisão e também a celebração de um mês em que o tema da reforma agrária é muito lembrado por um aspecto triste da história brasileira, mas que nós queremos transformar em direitos para o povo brasileiro”, acrescentou Teixeira. O Abril Vermelho representa uma série de ações realizadas neste mês para lembrar o massacre de Eldorado dos Carajás, no Pará, em 1996, que resultou na morte de 19 sem-terra no Pará.

    Cerca de 600 integrantes do MST ocupam, desde a madrugada de domingo (16), uma fazenda pertencente à Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), localizada em Petrolina (PE). Vinculada ao Ministério da Agricultura e Pecuária, a empresa pública afirma que a propriedade é usada há décadas para a realização de experimentos que buscam tornar mais resistentes as sementes e mudas de plantas cultivadas no Cerrado, aumentando a produtividade destes produtos, informou a Agência Brasil.

    “Nós entendemos que a Embrapa é uma empresa de alta tecnologia para o campo brasileiro. Sobre o caso de Petrolina, vamos assinar com a Embrapa uma transferência de recursos para a empresa, para que ela possa produzir sementes para os agricultores daquela região, o que é uma das reivindicações [do MST]. A segunda reivindicação é o assentamento no perímetro irrigado, nós também estamos atendendo. E uma terceira é a abertura de um escritório do Incra em Petrolina… Essas três questões já estão equacionadas”, disse Teixeira sobre a invasão em Petrolina.



    Source link

    MAIS RECENTES

    Silveira nega intervenção na Vale, mas diz que na Petrobras é diferente: “é participação”

    O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou que o governo não...

    Militares apostaram no caos que daria o poder de intervir, diz Gilmar a jornal alemão – CartaExpressa – CartaCapital

    O ministro Gilmar Mendes, decano do Supremo Tribunal Federal, afirmou que a militarização...

    Líderes do Senado jogam desfecho sobre desoneração de municípios para junho

    Os líderes do Senado definiram nesta quinta-feira (23), em reunião com o presidente...

    Mais Notícias

    Silveira nega intervenção na Vale, mas diz que na Petrobras é diferente: “é participação”

    O ministro de Minas e Energia, Alexandre Silveira, afirmou que o governo não...

    Militares apostaram no caos que daria o poder de intervir, diz Gilmar a jornal alemão – CartaExpressa – CartaCapital

    O ministro Gilmar Mendes, decano do Supremo Tribunal Federal, afirmou que a militarização...